Make your own free website on Tripod.com
Fire Moto Clube
DICAS

Home

ESTATUTO
Quem somos
FOTOS
Notícias e eventos
Como nos encontrar
DICAS
Parceiros no Esporte
Fanaticos por MOTO
MOTO CLUBES - Bahia
REVENDAS HONDA
REVENDAS YAMAHA
REVENDAS DE PECAS
Visitantes Outros Clubes
LINKS
Contate-nos

Dicas para Motociclistas

Dica numero 1: Viagens, o que levar:

Nao e nossa inteno aqui aconselhar a encher sua bagagem com todas as possveis coisas que voc possa precisar em uma viagem, nem estamos falando em cruzar o deserto num Rally ParisDakar, mas com muitos anos de estrada, podemos aconselhar alguns itens bsicos que podem facilitar sua vida no caso de uma pane ou imprevisto. Estamos baseando esta lista numa viagem pelas estradas brasileiras e com boas condies de trfego. Iremos dividir a lista em dois grupos que chamaremos: necessrios e aconselhveis.

Itens necessrios:

Algum dinheiro em espcie (o bastante para abastecer ou comer em algum lugar que no
aceite cheque ou carto de crdito).
Um telefone celular com cobertura na rea de sua viagem.
Ferramentas (normalmente o kit que vem na moto suficiente para pequenos reparos).
Par de manetes.
Corrente.
Cabos: universal, acelerador e embreagem.
Lmpadas: farol, laterais e pisca.
Velas.
Alicate de presso.
Rolo de arame.
Silver Tape
Parafusos, arruelas e porcas.
Kit de reparo de pneus (esptula, remendo e bomba de encher) e um desses produtos de reparo
rpido, tipo trepano.

Itens aconselhveis:

GPS.
Agenda para anotaes: paradas, consumo, gastos, etc.
Roupa impermevel para chuva (uma cala j ajuda bastante).
Sacos plsticos para proteger a roupa .
Mapa da estrada com localizao de postos de gasolina e restaurantes (Internet).
Lista com alguns telefones teis.
Bandana para colocar por baixo do capacete (evita que o suor deixe algum cheiro desagradvel).
culos escuros.
culos para pilotar a noite (night driver).
Kit de primeiros socorros (com anti-inflamatrios, analgsicos, etc.).
Lanterna.
Lenos de papel.
Flanela.

Roupas e acessrios pessoais:

Casaco impermevel de couro ou cordura, com protetores em kevlar.
Luvas impermeveis de couro ou gore-tex.
Botas impermeveis de couro ou gore-tex.
Cala impermevel de couro ou cordura (com protetores em kevlar).
Capacete (integral para viagens) de boa qualidade.
Leno para o pescoo.

Dica nmero 2 Escolhendo e ajustando o capacete:

Voc pode ter um capacete aberto para dar aquela voltinha na praia e atender a lei, mas na hora de pegar a estrada, escolha um capacete integral.
Alguns capacetes abertos, muito usados por proprietrios de Cruisers, no tm o selo do INMETRO, portanto, dependendo do guarda de trnsito, podem virar um problema. Na escolha de um capacete, d preferncia em primeiro lugar pelo material de fabricao, Kevlar e Plstico Injetado, so mais resistentes que Fibra de Vidro.
Leve tambm em conta o Fabricante, boas marcas devem ter preferncia. Muito importante tambm o tamanho do capacete.
Capacetes com o mesmo nmero tm as formas diferentes e podem no vestir to bem. Capacetes largos podem tender a sair da cabea em velocidade e colocar a sua segurana em risco. Capacetes apertados, com o tempo vo causar dores que podem impossibilitar o usurio de seguir viagem. Via de regra, o capacete deve entrar justo mas sem apertar demais.
As partes de espuma vo ceder com o tempo e se ajustar ao seu rosto e cabea, mas as partes em Isopor merecem cuidados especiais.
Se seu capacete est machucando na testa, localize a posio e pressione fortemente com o polegar a fim de "amassar" um pouco o Isopor, afrouxando a presso em sua testa, uma colher pode ajudar tambm. No caso de estar machucando na orelha, retire a forrao at expor o Isopor, com a ajuda de uma faca ou canivete, aumente a rea destinada a orelha, dos dois lados, e recoloque a forrao.
As orelhas devem ficar livres de qualquer presso sob o risco de dor intensa aps algum tempo de uso do capacete.
Para uso do capacete por tempo prolongado, aconselhamos o uso de uma Bandana por baixo, isto evitar que o suor deixe o capacete com cheiro desagradvel.
Alguns aconselham molhar a Bandana nos dias de calor intenso, mas no havendo opo de secar o capacete aps o uso, como deix-lo ao sol, eu particularmente desaconselho esta prtica.
Viseiras: As viseiras devem ser mantidas limpas e sem arranhes. Voc pode sair a noite com
sua viseira e descobrir perigosamente que no consegue enxergar nada quando cruza com a luz de um carro em sentido contrrio. A viseira um pouco arranhada que voc acha que d para usar durante o dia pode tirar sua viso e causar um acidente a noite.


Dica nmero 3 Contra o Sol:
Em uma viagem, qualquer item que no seja pensado antecipadamente pode vir a ser um problema mais tarde. Certamente a experincia vai gradualmente diminuindo as possibilidades de incidentes e contratempos.
Observamos a grande incidncia de acidentes no incio da Dutra, no sentido So Paulo-Rio. Praticamente todo dia tinha uma coliso traseira. Um dia comentando com um motorista de nibus, descobrimos que o principal motivo era o sol que nascia exatamente na direo da pista e ofuscava a viso dos motoristas.
sol muito baixo no pode ser evitado com quebra sol ou viseira de um capacete. Quando estamos programando uma viagem, aconselhvel evitarmos o sol nascente e o poente, ou na melhor hiptese estudar os mapas para verificar se estaremos nos colocando nesta situao no caso de uma viagem mais longa.
culos escuros podem ajudar mas devem ser encarados apenas como uma opo paliativa quando a viagem no pode esperar.
ideal dar uma parada e esperar para prosseguir. Esta situao no deve se prolongar por mais de meia hora desde o ponto que o sol comea a incomodar, at a proteo do horizonte ou montanhas ao fundo. Lembre-se que as dificuldades que temos com o sol no rosto so agravadas para os motoristas que normalmente no tm o pra-brisa to limpo e pode estar imediatamente atrs de voc.



As viseiras transparentes normalmente tm pequenos arranhes que atravessados pelo sol tornam-se verdadeiras estrelas de luz bem diante de seus olhos, neste caso aconselhvel abrir ou retira-la e usar um culos escuro de boa marca e limpo (nunca viaje sem proteo para seus olhos).
Estes pequenos detalhes enfatizam a necessidade de se programar uma viagem, principalmente quando motociclistas com menos experincia acompanharo o grupo e a segurana deles depende de quem est liderando. Continue "seguindo o sol", mas deixe ele ir um pouco a sua frente que voc sempre vai chegar l.

Dica nmero 4 Viajando de moto sozinho:
Semelhante ao mergulho, deve-se evitar a viagem solo, ou seja, uma s moto. O mnimo recomendado so dois motociclistas. No caso de uma pane, existe algum para buscar socorro enquanto a moto no fica sozinha. Mas se for inevitvel, seguem alguns conselhos que podem ajudar na sua viagem.

Comunicao:
Sempre que possvel, leve um telefone celular e os nmeros de locais e pessoas que voc possa precisar, como por exemplo: o Hotel que voc est indo, seu mecnico, etc... Lembre-se que alguns celulares tem cobertura limitada, como o caso de celulares de carto.
Check-up:
Desnecessrio lembrar que a moto deve estar em condies para a viagem. Por menor que seja a distncia, voc vai estar longe de casa e isto aumenta muito um pequeno problema.
Dentre os itens normais de manuteno preventiva, d especial ateno:
Condies e calibragem dos pneus.
- Nvel do leo. Verifique se a distncia no exceder a hora da prxima troca.
- Nvel do fluido de refrigerao (quando aplicvel).
- Pastilhas de freio
- Fixao dos retrovisores (indispensvel o uso).

Programao:
Com o auxlio de um mapa, programe as paradas de acordo com a autonomia de sua moto e seus limites. Para motociclistas com menos experincia, aconselhamos uma parada a cada 100 km ou 1 hora, aproximadamente. Para viagens longas e motociclistas em boas condies fsicas, os primeiros 100 ou 200 km no mostram o cansao, mas acreditem, as paradas iniciais faro muita falta no final. Para programar as paradas pode-se contar com a ajuda de mapas rodovirios que mostram postos de abastecimento e paradas. Na Internet pode-se obter timos mapas no site www.estradas.com.br o u ento atravs dos guias especializados adquiridos nas bancas de jornais e revistas.

Posicionamento na estrada:
Estradas de mo dupla: Ocupe a sua faixa posicionando-se no espao relativo a um carro, evitando assim a tentativa de um veculo de quatro rodas em se posicionar a seu lado.
S ultrapasse com segurana e quando houver espao para voc voltar para sua pista.
Certos motoristas no gostam de dar espao para motos e voc acaba ficando "preso" entre as duas pistas e em situao de muito perigo.
Estradas de mo nica, duas pistas:
Da mesma maneira que acima, posicione-se ocupando o espao relativo a um carro.
Trafegue normalmente pela faixa da direita usando a faixa da esquerda somente para ultrapassagens.
Nas mudanas de faixa use o retrovisor mas d uma rpida olhada antes, dependendo da posio, seu retrovisor pode esconder um carro pequeno.
Ateno especial para incidncia de leo na pista da direita (pista dos caminhes).



Estradas de mo nica, trs pistas ou mais:
Idem a duas pistas, mas dependendo do movimento da rodovia, pode-se trafegar pela pista do meio, evitando assim o leo da pista da direita. Porm redobrar a ateno com os retrovisores em relao aos carros que se aproximam, no incomum automveis ultrapassando pela direita.

Velocidade:
SEMPRE respeite os limites de velocidade das estradas, em caso de chuva, reduzir os limites para velocidades em que voc se sinta seguro pilotando. Nas curvas, inclinar a moto bem menos que o habitual e cuidado com o leo. Se seus pneus no esto em condies (sulcos com no mnimo 1,6 mm), no viaje na chuva, PARE e espere.

Roupas:
USE SEMPRE CAPACETE. Se sua moto no uma Cruiser com bolha (pra-brisa), que proteja seu rosto, use sempre capacete integral ou com viseira. Uma pedra levantada por um carro ou por seu prprio pneu dianteiro a 100 km/h, pode machuc-lo e derrub-lo com o susto, isto sem falar dos insetos. Apesar do calor no abra mo do casaco de couro, calas jeans ou couro e botas.
As luvas so importantes para proteo e evita que depois de um dia inteiro de viagem no sol voc descubra que ganhou um par de mos vermelhas na extremidade de braos brancos. O casaco de couro no protege do frio, em caso de frio intenso, usar uma roupa quente por baixo.
Na emergncia, jornal por dentro da jaqueta, luvas e botas, faz milagres. A noite procure usar algo colorido por cima do casaco, adesivos reflexivos no capacete tambm ajudam. Lembre-se voc tem que ser visto de longe.

Toques:
Se uma moto ou carro, normalmente com dois ocupantes chega rpido em voc e no te ultrapassa, procure o primeiro posto policial ou parada, pode ser uma tentativa de assalto. Em caso de pane e sem garupa, no deixe a moto na estrada. Procure parar um caminho ou pick-up e transporte a moto at lugar seguro. No transporte sem cordas para amarrar, coloque a moto transversalmente, se possvel, arme o descanso lateral, posicione-se no lado oposto ao descanso e pea ao motorista para ir devagar.
Se a garupa for mulher, mais seguro ela ir procurar socorro de preferncia em um carro de famlia e voc ficar com a moto.

Dica nmero 5 Presso dos pneus:
A temperatura um fator muito importante na variao da presso nos pneus.
Para o ar, a relao P.V/ T - constante, onde:
P- Presso
V- Volume
T Temperatura
Para pneus de motocicletas em geral, considerando-se o volume de ar e a elasticidade da borracha dos pneus, podemos chegar a uma relao simplificada onde:
Para cada 5,6C, temos uma variao de 1 psi (libras) na presso.
Sendo que subindo a temperatura, sobe a presso e vice-versa. As presses ideais para cada pneu e condies de carga, so indicadas no manual da motocicleta e na lateral dos pneus (alguns pneus mostram somente o limite mximo). Lembramos que o peso transportado influi nestes valores.






Quando calibrar:
A presso deve ser verificada a cada semana e com os pneus frios (pneus frios significam que no houve um longo perodo de uso antes da calibragem). Em dias quentes, a presso de um pneu rodando pode variar por volta de 6 psi (libras).
Sendo normal uma perda de presso de 1 psi (libra) por ms, ento veja, por exemplo: Voc calibra os pneus em um dia muito quente de vero e no verifica a calibragem por 6 meses (o que no muito difcil). Ao sair cedo num dia frio de inverno, voc pode estar com at 12 psi (libras) a menos em seus pneus, isto pode ser muito perigoso.
Portanto no deixe de verificar periodicamente a presso de seus pneus, um item de SEGURANA.


Dica nmero 6 Desgaste excessivo dos pneus:
Desgaste excessivo ou desgaste irregular um problema relativamente comum em motocicletas.
Na maioria dos casos isto resultado da falta de calibragem dos pneus.
Via de regra, pneus com a presso acima do recomendado apresentam desgaste no centro da banda de rodagem. Pneus com calibragem abaixo do recomendado apresentam desgaste nas bordas. Em ambos os casos o equilbrio e estabilidade da motocicleta esto comprometidos, portanto fica claro que sem contar o custo inerente a reduo da vida til do pneu, CALIBRAGEM UM ITEM DE SEGURANA. O desgaste excessivo / irregular pode tambm ser resultado do estado e uso da motocicleta bem como estilo de pilotagem. Veja abaixo alguns itens relevantes:
Pilotagem agressiva (curvas no limite, frenagens fortes), desgasta excessivamente os pneus.
Motos com maior incidncia de uso em trechos retos (estradas por exemplo), tendem a apresentar desgaste no centro do pneu, criando o chamado "pneu quadrado".
Alinhamento do quadro pode ocorrer em motos que j sofreram acidentes.
Peso mal distribudo, como por exemplo, uma caixa de ferramentas em um s alforje.
Amortecedores danificados.
Regulagem dos amortecedores muitos amortecedores possuem regulagens nas molas e por presso.
Em ambos os casos os dois lados da moto devem ter o mesmo ajuste.
Uso excessivo ou desbalanceado dos freios.
Quanto maior a potncia da moto, maior o desgaste do pneu traseiro devido a tendncia de "borrachar" nas arrancadas. Trails grandes tambm apresentam esta caracterstica.
O estado das rodovias pode contribuir para o desgaste irregular e causar danos.
Fazer "ZERINHO" no s causa desgaste no pneu traseiro, como pode causar danos no motor de sua moto, que no foi projetado para manter o alto giro e torque sem refrigerao, deixe isto para os profissionais.


Dica nmero 7 Medicamentos:
fato que o brasileiro tem o costume de se auto medicar. Os possveis efeitos colaterais j so
perigosos quando voc est dentro de sua casa, imagine isto sobre uma moto a 100 km/h. Voc pode achar que, durante uma viagem, um analgsico para uma dor de cabea, no lhe faria mal
algum, certo? ERRADO. No nosso objetivo discutir a qumica dos remdios, mas basta saber que a maioria dos analgsicos baixa a presso causando sonolncia e diminuindo a sua ateno.
Sem contar o fato que efeitos colaterais de remdios que voc est acostumado a tomar, podem ser alterados de acordo com a temperatura ambiente e at seu estado emocional.
Se voc est tomando regularmente algum medicamento, consulte seu mdico, informando-lhe de suas pretenses e detalhes da viagem. Na dvida, deixe a viagem para a prxima vez.




Evite ao mximo tomar remdios durante uma viagem, se for inevitvel, diminua o ritmo e esteja consciente e alerta para qualquer indcio de algo diferente, como sono ou sensao que voc
desligou por alguns segundos (falta de concentrao).

Ao menor sinal pare, sua vida no vale o risco. Se estiver em grupo, pea a algum mais chegado para te acompanhar e ficar atento quanto ao seu comportamento (euforia tambm pode ser um efeito colateral). De maneira nenhuma misture, por conta prpria, dois medicamentos e NUNCA misture lcool com qualquer remdio. Voc pode estar se suicidando ou matando algum. A no tem mais remdio.


Dica nmero 8 Um estranho no ninho:
Voc tem um ou mais triciclos no grupo, ou ainda, tem uma moto muito velha ou muito pequena para acompanhar o grupo. O qu fazer?
A princpio vamos falar dos triciclos.
Com a difuso destes veculos, no difcil encontrarmos grupos com motos e triciclos, alguns
grupos alteraram seus nomes para Mototriciclube, devido a incluso destes interessantes veculos
de 3 rodas. No existe nenhum problema de compatibilidade entre 2 e 3 rodas. Contanto que as normas de segurana no sejam quebradas, apenas alguns cuidados devem ser tomados.
O ltimo do grupo deve ser um experiente motociclista, este chamado "Drag-Bike".
Se o piloto do triciclo se encaixar nesta categoria, voc ter um excelente "Drag-Bike" fechando o
grupo. Caso este no possua a experincia necessria para ser o ltimo, coloque-o imediatamente a frente do ltimo.
Quando se anda em grupo, h uma tendncia de quem vem atrs basear seus movimentos na moto da frente, como por exemplo: ponto de frenagem, tomada da curva etc... Andar atrs de um triciclo o mesmo que andar atrs de um carro, ou seja, voc fica sem esta referencia, mesmo porque os pontos de frenagem e tomadas so diferentes. Logo a distancia de quem vai depois de um triciclo deve ser a mesma a ser mantida de um carro. Como referencia esta distancia pode ser o dobro da normalmente usada entre duas motos.
Uma moto que no se enquadra no grupo.
Avalie as condies de segurana da moto e a experincia do piloto. Se no houver um impeditivo que ponha em risco a segurana do grupo ou do prprio piloto, no se justifica a excluso desta moto. Lembre-se, a primeira regra do motociclismo a unio e provavelmente este obstinado motociclista prosseguir viagem sozinho, neste caso com um risco maior do que com o apoio do grupo.
Se voc julgar que esta moto no oferece condies de segurana, converse com o motociclista tentando convenc-lo a corrigir o problema antes de coloca-la na estrada. Talvez desta vez a melhor opo seja a garupa de algum. Caso voc no tenha sucesso, coloque-o no final do grupo, imediatamente a frente do "Drag-Bike". Motociclistas drogados ou sob efeitos de lcool, de maneira alguma devem seguir com o grupo.
A segurana do grupo SEMPRE deve ser sua principal prioridade.


Dica nmero 9 Viagem em grupo posicionamento na estrada:
Existem muitas teorias sobre o assunto, gostaria de lembrar que esta apenas uma opinio baseada na experincia de motociclistas e colaboradores com anos de estrada. Quando um grupo vai se juntando no decorrer de uma viagem, fato muito comum no caminho para um evento de motos, fica muito difcil estabelecer-se regras para motociclistas que no se conhecem, a valem o bom senso e as regras bsicas de segurana. Mas se voc tem um grupo, alguns cuidados podem ser tomados tornando a viagem mais agradvel e segura.
Identifique os dois motociclistas mais experientes. Um deve liderar o grupo (Capito de Estrada)
e o outro deve fechar o grupo, ou seja, ser o ltimo (Drag-Bike). A segurana do grupo pode depender desses dois.


Identifique o menos experiente e a menor moto. Estes sero os limites de seu grupo em relao ao nmero de paradas e velocidade.
O grupo deve sempre ocupar uma pista inteira da rodovia, posicionando-se em uma formao lado a lado defasada, ou seja, como marcas de "passos na areia". importante manter-se dentro do campo de viso do motociclista sua frente verificando se ele pode v-lo pelo retrovisor. A distncia entre as motos deve aumentar com o aumento da velocidade.
Em rodovias de trs ou mais pistas, mantenham-se na pista central, normalmente a pista da
direita apresenta mais buracos e leo, ambos causados por caminhes.
Em rodovias de duas pistas, mantenham-se na pista da direita, apesar dos problemas acima
mencionados, neste caso a pista mais segura.
Em rodovias de mo dupla, os grupos grandes devem abrir espaos com subgrupos de quatro ou seis motos permitindo assim a ultrapassagem de veculos mais rpidos. Congestionar o transito na subida de uma serra por exemplo, irritar os motoristas que acabaro forando uma ultrapassagem e colocaro em risco os motociclistas.
As ultrapassagens, sempre que possvel devem ser feitas de forma contnua, ou seja, o lder deve
esperar condies que permitam a ultrapassagem de todo o grupo.
Uma ultrapassagem segura requer entrosamento entre o lder (Capito de Estrada) e o ltimo
(Drag-Bike). O lder percebendo as condies ideais sai para esquerda. Imediatamente o ltimo sai tambm, dando cobertura para que todos ultrapassem com segurana. Aps a ultrapassagem todos devem retornar a posio original.
No havendo esta condio ideal, caso com transito muito intenso, as ultrapassagens devem ser feitas gradualmente e o lder deve esperar que o grupo se una novamente antes de iniciar um novo processo de ultrapassagem.


Dica nmero 10 Viagem em grupo Sinais:
Alguns sinais podem ser combinados entre os participantes de um grupo que pretende viajar, mas bom saber que alguns sinais j tornaram-se padro por motociclistas acostumados a viajar em grupo e o conhecimento destes procedimentos pode ajudar quando vrios grupos ou motociclistas se encontram em uma viagem, fato que normalmente ocorre em ocasies de eventos motociclsticos.

Sinais:
Nota: todos os sinais devem ser feitos com a mo esquerda e repetido por todos os integrantes do grupo.
Obstculo a frente, como buraco ou lombada:
Apontar com a mo esquerda para baixo.
Parada ou emergncia a frente:
Mo esquerda espalmada para cima.
Dobrar a esquerda:
Apontar para esquerda na altura do ombro (no isenta o uso do pisca).
Dobrar a direita:
Apontar para direita por cima do capacete (no isenta o uso do pisca).
Retornar a frente:
Apontar para cima fazendo crculos no ar.
Reduzir velocidade:
Brao esquerdo aberto subindo e descendo (como um leve bater de asas).

Estes so os sinais bsicos usados pela maioria dos grupos. Um grupo que viaja sempre junto pode combinar sinais e procedimentos como: "preciso parar", "estou sem gasolina", etc.

Insira o conte˙do de apoio aqui